Mês: abril 2015

Agora está

Algumas certezas como a morte preenchem o nosso vazio
As perguntas machucam,
Porque todas as respostas são ruins
E se esse crânio não tiver quebra, eu vou me invadir

A árvore, o solo e Tudo são mais velhos que eu
A grama é mais nova mas vão cortar quando incomodar o pé de alguém
Tento não ir contra os trilhos
Mas e se me identifico com os galhos secos?

Então ele chegou pra soprar esse vento
Que fez as borboletas do meu estômago voarem
Que trouxe o calor e as madeixas de melaço
O gosto da cerveja, o meu olhar mais doce e a verdade

Tudo que acontece é obstáculo pra luz,
E conseguimos nos encontrar no meio dela fazendo sombras
Abracei-lhe o cabelo e beijei-lhe num abraço
Já que as danças e os beijos acontecem de diferentes formas

E não existe mais teoria de cor, não existe teoria de gente
Não existe mais Durkheim, nem Max Weber
O mundo se desdobrou em gratidão para nós
Então obrigada por compartilhar as melhores coisas que existem

Cenira

Ontem mergulhei num copinho de petróleo
Quando o meu banho foi tão quente
Quanto o café que tomei no trampo

Pra ficar acordada, afinal, se não trabalhar
Não vai sair de casa, pra morar em outra casa
Ir pra festa, usar o psicotrópico favorito da galera

Cantar as nossas canções que os adultos dizem ser bobagem
Mal sabem eles, suas vidas é que são bobagem
Cantamos nada além da verdade

Porque a maior loucura que já vivemos foi a realidade
Não se engane, já dizia Dona Cenira
A melhor droga que existe é a filosofia

Sóbrio

Não faz muito tempo, te ouvi chamar meu nome
Você podia me revelar alguma verdade
Alguma coisa que esconde

Quando o céu muda de cor e estou no concreto
Não tenho medo
Nada que me é estranho vai chegar perto

Eu nunca coube nesse carro, em um trabalho
Muito menos no meu quarto
Provavelmente não caberei no teu abraço
De um braço só, banzado

Talvez dançar ao som da sua própria música
Seja o melhor pra misturar as cores que existem dentro de ti
Amanhã se eu estiver acima de todos, tome cuidado e não me interrompa.
Sóbrios, vasos sanguíneos são perigosos.

Despedida

Uma concha no formato de caminhão
Se abriu na praça do centro da cidade
Gerou muita polêmica, mas
Guardei uma flor em seu seio de despedida

Espera o ponteiro voltar e a flor ainda estará ali
As pombas da paz terão voado
Em mares de setembros
Mas um pedaço do tempo é eterno
Espero anos inteiros
Calendários jogados fora
Fazendo contas relativas
Medidas, memórias
Minha flor nunca muda de lugar
O ponteiro dá suas voltas
E tudo que é agora
Se despede amanhã

Johnny

Johnny,
Você subiu as montanhas para encontrar
Chegando lá em cima
Não havia nada além do vento

Johnny,
Você subiu na cama para amar
Chegando lá em cima não havia ninguém
Além dos amigos imaginários de ontem

Johnny, não se preocupe
Nada foi feito em vão
O que vem ainda vai voltar
Hoje ainda não vai passar

Não sei para que lado é o futuro
Mas todo mundo vai voltar
Mesmo quando nada, nem hoje
Passará

Não vai passar
Não vai passar
Não vai passar
Nem passará

Pale Fire

I was the shadow of the waxwing slain
By the false azure in the windowpane;
I was the smudge of ashen fluff -and I
Lived on, flew on, in the reflected sky
You left me burning inside out and never looked behind even when i was there
You forgot me in a river of your problems and drowning in endless pain
This is a part of me, this is Pale Fire
It seems like it hurts like a soft bruise, but hangs me like a telephone wire

Sounds

Listen to the sounds of a car to know if there’s something wrong with it.
If it has, the fault is on the careless driver.
Is him also a careless human being?
Well, listen to the sounds of his family to know if there’s something wrong with it.
But if he’s a lonely guy, will we listen to the sound of him?
Because if we listen to the sound of society
We will perceive a lot of mistakes of careless people
And maybe then we can find what hurts our guy
And only then know whats wrong with the car.

Peace

When i was a teenager, i started to search for peace
Walking through the corridors of my school, downloading the Pixies discography
Everything stood dark even when i smoked in the street
So I listened to the Last Splash and read The Catcher in the Rye
All this felt very good but i could never really find peace
All i could do was see that my mind will never be quiet
I will live the chaos and it will be part of me

Fio de parede

Por que a gente quer ficar limpo e arrumado quando está tudo uma bagunça?
Pra quê parecer alguma coisa que não é, se a verdade sempre escapa
pelos olhos?
E mesmo se tu souber mentir muito bem, tudo vai ficar registrado nos fios dos teus cabelos.
Pode descolorir, eles são como paredes;
Não tem como apagar, pode pintar por cima, pode tirar a tinta, ainda vai estar lá.
A parede vai muito além
A parede vai muito além da gente
Vai muito além do que a gente pensa
Tem vezes que eu penso que a parede também é gente.