Despedida

Uma concha no formato de caminhão
Se abriu na praça do centro da cidade
Gerou muita polêmica, mas
Guardei uma flor em seu seio de despedida

Espera o ponteiro voltar e a flor ainda estará ali
As pombas da paz terão voado
Em mares de setembros
Mas um pedaço do tempo é eterno
Espero anos inteiros
Calendários jogados fora
Fazendo contas relativas
Medidas, memórias
Minha flor nunca muda de lugar
O ponteiro dá suas voltas
E tudo que é agora
Se despede amanhã
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s