Soneto Quebrado

Seres humanoides habitam meus lábios
No desespero pela felicidade real,
A ilusão, a cegueira
O amor que engana e diminui

Não era amor, achei que fosse
Quebrei, chorei, tomei banho de mim
Suicídio filosófico, reconstrução do ser
Restos planetários, engenharia de giz

A regra da próclise
Escaneamento de mentes
Pedaços, fragmentos

Harmonias artificiais, coisas novas
Princípios de calvície, tubulações instantâneas
Não sou nós

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s