Sem categoria

Pentágono

Lados truncados arestas nomes invisíveis, o vértice. Descubro que és Marcelo embora ele já tenha partido e descubro que ele não partiu, nenhum deles, ninguém. És outro Marcelo. E carreguei-os o tempo todo sem ver, estavam escondidos nas feridas que eles mesmos abriram, presos nas fissuras de uma terra fértil no compartimento da mochila.

Novo elemento sua face imigrante dos sistemas que domino, finjo que não sei como funciona nem o que vai acontecer. Ursinha barriguinha os fogos dos lugares inóspitos. Mas eu sei, eu conheço, eu vi de longe. Sentamos em mesas distintas, mas nos enxergamos, nos encontramos distorcidos em alguns reflexos.
Brincamos de tentar adivinhar a próxima palavra. Qual é a próxima coisa das nossas vidas que vai ser separada por vírgula? Fazemo-nos em pedacinhos, desfazendo e jogando para o que o outro possa remontar e descobrir a grande imagem que se forma. Uma vez distorcida, jamais será 300 dpi.

E assim somos.

Sempre soube que queria te transformar em imaginário, amigo, amor, personagem, das minhas caminhadas e fantasias. Neguei por um tempo, mas sempre me obrigo a fluir e eis você ao meu lado, mesmo… Mesmo assim. PAUSA. Respira. Ofegante gemido loucura. O. Grito. Um. Grito. E volta. Mesmo tão distante.
Você não é, não está, não não não não nenhum verbo nada nihil. Entretanto já te coloquei na minha pele, no meu pescoço, no meu calor. Respira. Calma. Não assim. Suave, prazer. Em que já coloquei outros, em que outros já estiveram já foram, tocaram, etc. Os verbos.

Uma partida filosófica que não deixa nada além dos rastros que quero te fazer seguir, desenvolvo e transcorro naturalmente labirinto jogo eterno pesadelo de cabeceira nome, cabelo e perfume desconhecido. Quantos nomes alguém pode ter? Eu Lina, nós Kindberg. Um lugar chamado assim.

Anúncios

Soneto Quebrado

Seres humanoides habitam meus lábios
No desespero pela felicidade real,
A ilusão, a cegueira
O amor que engana e diminui

Não era amor, achei que fosse
Quebrei, chorei, tomei banho de mim
Suicídio filosófico, reconstrução do ser
Restos planetários, engenharia de giz

A regra da próclise
Escaneamento de mentes
Pedaços, fragmentos

Harmonias artificiais, coisas novas
Princípios de calvície, tubulações instantâneas
Não sou nós

Agora está

Algumas certezas como a morte preenchem o nosso vazio
As perguntas machucam,
Porque todas as respostas são ruins
E se esse crânio não tiver quebra, eu vou me invadir

A árvore, o solo e Tudo são mais velhos que eu
A grama é mais nova mas vão cortar quando incomodar o pé de alguém
Tento não ir contra os trilhos
Mas e se me identifico com os galhos secos?

Então ele chegou pra soprar esse vento
Que fez as borboletas do meu estômago voarem
Que trouxe o calor e as madeixas de melaço
O gosto da cerveja, o meu olhar mais doce e a verdade

Tudo que acontece é obstáculo pra luz,
E conseguimos nos encontrar no meio dela fazendo sombras
Abracei-lhe o cabelo e beijei-lhe num abraço
Já que as danças e os beijos acontecem de diferentes formas

E não existe mais teoria de cor, não existe teoria de gente
Não existe mais Durkheim, nem Max Weber
O mundo se desdobrou em gratidão para nós
Então obrigada por compartilhar as melhores coisas que existem

Cenira

Ontem mergulhei num copinho de petróleo
Quando o meu banho foi tão quente
Quanto o café que tomei no trampo

Pra ficar acordada, afinal, se não trabalhar
Não vai sair de casa, pra morar em outra casa
Ir pra festa, usar o psicotrópico favorito da galera

Cantar as nossas canções que os adultos dizem ser bobagem
Mal sabem eles, suas vidas é que são bobagem
Cantamos nada além da verdade

Porque a maior loucura que já vivemos foi a realidade
Não se engane, já dizia Dona Cenira
A melhor droga que existe é a filosofia

Sóbrio

Não faz muito tempo, te ouvi chamar meu nome
Você podia me revelar alguma verdade
Alguma coisa que esconde

Quando o céu muda de cor e estou no concreto
Não tenho medo
Nada que me é estranho vai chegar perto

Eu nunca coube nesse carro, em um trabalho
Muito menos no meu quarto
Provavelmente não caberei no teu abraço
De um braço só, banzado

Talvez dançar ao som da sua própria música
Seja o melhor pra misturar as cores que existem dentro de ti
Amanhã se eu estiver acima de todos, tome cuidado e não me interrompa.
Sóbrios, vasos sanguíneos são perigosos.

Despedida

Uma concha no formato de caminhão
Se abriu na praça do centro da cidade
Gerou muita polêmica, mas
Guardei uma flor em seu seio de despedida

Espera o ponteiro voltar e a flor ainda estará ali
As pombas da paz terão voado
Em mares de setembros
Mas um pedaço do tempo é eterno
Espero anos inteiros
Calendários jogados fora
Fazendo contas relativas
Medidas, memórias
Minha flor nunca muda de lugar
O ponteiro dá suas voltas
E tudo que é agora
Se despede amanhã

Johnny

Johnny,
Você subiu as montanhas para encontrar
Chegando lá em cima
Não havia nada além do vento

Johnny,
Você subiu na cama para amar
Chegando lá em cima não havia ninguém
Além dos amigos imaginários de ontem

Johnny, não se preocupe
Nada foi feito em vão
O que vem ainda vai voltar
Hoje ainda não vai passar

Não sei para que lado é o futuro
Mas todo mundo vai voltar
Mesmo quando nada, nem hoje
Passará

Não vai passar
Não vai passar
Não vai passar
Nem passará

Pale Fire

I was the shadow of the waxwing slain
By the false azure in the windowpane;
I was the smudge of ashen fluff -and I
Lived on, flew on, in the reflected sky
You left me burning inside out and never looked behind even when i was there
You forgot me in a river of your problems and drowning in endless pain
This is a part of me, this is Pale Fire
It seems like it hurts like a soft bruise, but hangs me like a telephone wire

Sounds

Listen to the sounds of a car to know if there’s something wrong with it.
If it has, the fault is on the careless driver.
Is him also a careless human being?
Well, listen to the sounds of his family to know if there’s something wrong with it.
But if he’s a lonely guy, will we listen to the sound of him?
Because if we listen to the sound of society
We will perceive a lot of mistakes of careless people
And maybe then we can find what hurts our guy
And only then know whats wrong with the car.